Sugestão do dia: Ozzy Osbourne,Tribute.

Meus caros, esses dias de isolamento são importantes. Procurem levar a sério e não arrume qualquer desculpa para bater perna na rua. Essa situação só vai mudar se fizermos o correto hoje. Mas será que vai ser o suficiente? Não sei, e acredito que ninguém sabe com certeza. Estamos vivendo um quadro inimaginável e como em uma guerra, só se conhece os resultados quando ela termina. Mas uma coisa é certa, faça o que os especialistas em saúde pedem. Fique em casa.

Agora vamos falar de coisas boas. Como eu disse anteriormente, a ideia aqui é propor uma sugestão para que você ocupe um tempinho do seu dia conhecendo algumas curiosidades e o mais importante, preenchendo um pedaço do seu tempo com uma boa dose de música pesada. E a dica de hoje é o álbum do Ozzy Osbourne, “Tribute”.

Tribute” é um álbum ao vivo,  lançado em 19 de março de 1987  em homenagem ao guitarrista Randy Rhoads, que fez parte da banda de Osbourne entre os anos de 1980 e 1982. O jovem músico veio a falecer em um acidente de avião durante a turnê do grupo do Madman na Flórida em 1982, aos 25 anos de idade.

Boa parte do disco – lados A e B do primeiro LP e o lado A do segundo – foi gravada ao vivo em Cleveland, Ohio, em 11 de maio de 1981, com exceção do solo de guitarra de Rhoads no meio da música “Suicide Solution“, que foi gravado no Théâtre Saint-Denis em Montreal, Canadá, em 28 de julho de 1981 e inserido posteriormente depois. Já “Goodbye to Romance” e “No Bone Movies“, que fazem parte do lado B do segundo disco,  foram gravadas em um show da tour do álbum “Blizzard of Ozz”, provavelmente em Southampton, Inglaterra,  em 2 de outubro de 1980. Existem informações contraditórias. Essas faixas apresentam os então dois ex-integrantes: o baixista Bob Daisley (Rainbow) e o baterista Lee Kerslake (Uriah Heep). E fechando esse mesmo lado, uma gravação de ‘out-takes’ com Randy tocando a música que compôs para sua mãe, Delores Rhoads. “Dee” é uma canção acústica cuja a versão original fez parte do primeiro disco solo do Madman, “Blizzard of Ozz” de 1980.

Ozzy em 1982 tinha planos de lançar um álbum ao vivo consistindo apenas por interpretações de músicas de sua antiga banda, o Black Sabbath. Tudo estava planejado para ser gravado no Maple Leaf Gardens de Toronto, Canadá, em meados daquele ano. Rhoads e o baterista Tommy Aldridge não gostaram da ideia de gravar um álbum só com covers e se recusaram a participar. Já o baixista Rudy Sarzo estava desconfortável com a situação, pois tinha menos peso nas decisões dentro da banda, mas ele acabou concordando com eles e o trio informou a sua decisão. Osbourne se sentiu traído e ambiente na banda nunca mais foi o mesmo. Os planos para esse álbum ao vivo ficaram de lado temporariamente por causa da morte de Rhoads. Mas o projeto acabou sendo realizado no final daquele ano já com Brad Gillis na guitarra com os nomes de “Speak of the Devil” para o mercado americano e “Talk of the Devil” no Reino Unido e  restante da Europa.

Talvez por causa desses assuntos mal resolvidos, que cinco anos após a morte de Randy Rhoads, Ozzy tenha resolvido lançar “Tribute” dedicando ao ex-companheiro. Um novo disco ao vivo, mas dessa vez nos moldes reais das apresentações daquela época. Mesclando composições próprias com alguns sucessos do Black Sabbath.

A gravação de “Crazy Train” que aparece neste álbum também foi lançada como o único single do álbum em 10 de fevereiro de 1987, junto com um clipe, que foi até que bem veiculado pela MTV Brasil nos seus primeiros meses no ar em 1990. O desenho da capa do álbum foi feito com base na fotografia tirada pelo fotógrafo Paul Natkin em Rosemont, Illinois, em 24 de janeiro de 1982.

Minha cópia, uma edição nacional de capa dupla, foi comprada em 11 de dezembro de 1987, novinho em folha aqui mesmo em São Caetano do Sul, na loja Rick and Roll, que era especializada em rock em geral. Eu recordo de ouvir muitas vezes essas bolachas, que possuem uma qualidade de gravação extraordinária, que aliada ao talento acima da média do jovem Randy Rhoads, justificam plenamente que a fama que esse nome carrega até os dias de hoje, não é nem um pouco exagerada e esse disco é uma prova disso. “Tribute” obteve boas vendas e chegou ao número 6 na parada americana da Billboard 200. Não é pouco não.

E é isso. Tá ai mais uma dica. Agora é Volume no 11 e gastar um tempo do seu confinamento com o nosso querido Madman e esse gênio que foi o grande Randy Rhoads. Como de praxe, o link do You Tube com as músicas dos discos e o clipe de “Crazy Train” para você curtir estão logo ali no final. Fiquem bem, fiquem em casa e até a próxima sugestão.

Dados:

Lançamento: 19 de março de 1987.

Selo: Epic/CBS.

Produção: Max Norman.

Singles:

Crazy Train” (live) em abril de 1987.

Certificações:

– Nos Estados Unidos, 2x Platina (+2.000,000) em maio de 1997.

– No Canadá, Ouro (+ 50,000) em abril de 1989.

 

Músicos:

Ozzy Osbourne – vocais

Randy Rhoads – guitarra

Rudy Sarzo – baixo

Tommy Aldridge – batera

 

Bob Daisley – baixo em “Goodbye to Romance” e “No Bone Movies

Lee Kerslake – batera em “Goodbye to Romance” e “No Bone Movies

Tracklist:

Lado A

1.”I Don’t Know”  

2.”Crazy Train”     

3.”Believer”          

4.”Mr. Crowley”

Lado B

1.”Flying High Again”

2.”Revelation (Mother Earth)”          

3.”Steal Away (The Night)”

Lado C

1.”Suicide Solution”                  

2.”Iron Man”

3.”Children of the Grave”        

4.”Paranoid”

Lado D

1.”Goodbye to Romance”        

2.”No Bone Movies”

3.”Dee” (studio out-takes)