Lemmão e Cia. te ajudando a passar por mais um dia de isolamento.

Nesses dias incertos a cada noticia nosso humor muda. É normal se sentir apreensivo, com medo, confuso. Não é fácil lidar com situações que fogem ao nosso controle, principalmente quando se tem responsabilidades e outros que dependem de você. Mas uma coisa é certa, desespero não leva a nada. Vamos continuar firmes e ter esperança. Cuidem uns dos outros.  E agora, é a nossa hora de falar de música.

Lembrando que à ideia aqui é propor alguma coisa para que você ocupe um tempinho do seu dia conhecendo algumas curiosidades e o mais importante, preenchendo um pedaço do seu tempo com uma boa dose de música pesada. E a dica de hoje é o álbum do Motörhead, “Overkill”, que  fez aniversário ontem.

Overkill” é o segundo álbum de estúdio do Motörhead, lançado em 24 de março de 1979. Foi o primeiro álbum da banda com a gravadora Bronze Records.  A revista inglesa Kerrang! colocou o disco na 46ª posição entre os “100 Maiores Álbuns de Heavy Metal de Todos os Tempos”. O que não é nenhuma novidade, pois a formação mais criativa e clássica do power trio estava prestes a atingir o seu ápice.

O disco foi co-produzido pelo lendário produtor Jimmy Miller, que havia trabalhado anteriormente com os Rolling Stones, e gravado nos estúdios Roundhouse & Sound Development Studios, em Londres. A produção ficou a cargo do também competente Neil Richmond. Três semanas após o lançamento inicial do álbum em vinil preto, o LP foi lançado em uma edição limitada de 15.000 cópias em vinil verde.

Overkill” foi um sucesso inesperado, alcançando o número 24 na parada de álbuns do Reino Unido. É considerado por muitos o disco onde eles lançaram as bases para seu som característico. De fato, alguns fãs consideram o seu melhor LP, superando até mesmo o também clássico “Ace of Spades”.  

O meu vinil faz parte da prensagem de 1983, com selo da Bronze Records, e distribuição da Ariola/Polygram. Existem outras cópias que podem ser garimpadas por ai com o selo da Woodstock Discos, que relançou o catálogo do Motörhead em 87. Por falar em Woodstock, o meu disco veio de lá, quando a loja ainda estava no seu antigo endereço na Rua José Bonifácio no ‘centrão’ de Sampa, adquirido em abril de 1984. Como não idolatrar um LP com músicas do calibre de “No Class“, “Metropolis“, “Stay Clean” e a faixa título? Impossível, não é?

Óbvio que o link com as músicas do “Overkill” para você curtir no You Tube está logo ai no final da matéria, caso você não tenha em mãos essa beleza. Trata-se de um álbum feroz, que mostra perfeitamente um estilo próprio misturando peso e velocidade, as marcas registradas do Motörhead. Agora é no volume no 11 para incomodar os vizinhos chatos, ou se o seu isolamento requer um pouco mais de silêncio, lembre-se, tem que cuidar dos mais velhos, pegue seu fone de ouvido e bom divertimento na companhia do ‘Lemmão’.

Dados:

Lançamento: 24 de março de 1979 .

Selo: Bronze Records (Reino Unido); Ariola/Polygram (Brasil).

Produção: Jimmy Miller e Neil Richmond.

Singles:

Overkill“, em 10 de março de 1979;

No Class“, em 30 de junho de 1979.

Certificações:

– No Reino Unido, Prata (+ 60,000) em fevereiro de 1988.

Músicos:

Lemmy – vocais, baixo

“Fast” Eddie Clarke – guitarra

Phil “Philthy Animal” Taylor – batera

Lado A:

1.”Overkill”           

2.”Stay Clean”      

3.(I Won’t) Pay Your Price”    

4.”I’ll Be Your Sister”     

5.“Capricorn”        

Lado B:

1.“No Class”                     

2.“Damage Case”

3.“Tear Ya Down”           

4.“Metropolis”               

5.“Limb From Limb”