Um clássico.

Continuamos enfrentando dias complicados com notícias as vezes contraditórias, que só aumentam nossa ansiedade, angustia e incertezas . Mas o importante é continuar zelando pela nossa saúde. Aguentem as pontas, temos que ficar firmes acreditando que isso vai passar. Agora pare de pensar nos problemas só um pouco, vamos falar de música.

Como vocês já se acostumaram, à ideia aqui é propor alguma coisa para que você ocupe um tempinho do seu dia conhecendo algumas curiosidades e o mais importante, preenchendo um pedaço do seu tempo com uma boa dose de música pesada. E a dica de hoje é o álbum do Van Halen, Van Halen I, que recentemente completou 42 anos.

Van Halen I” é o homônimo álbum de estreia da banda americana de Van Halen, lançado em 10 de fevereiro de 1978. Este trabalho é amplamente considerado um dos melhores e mais famosos discos de hard rock de todos os tempos, sendo aclamado tanto por críticos, quanto pelo público.  

O álbum vendeu mais de 10 milhões de cópias somente nos Estados Unidos, tornando-se um dos LPs de estreia mais vendidos no país, sendo certificado com o Disco de Diamante. “Van Halen I” alcançou o número 19 no Top 200 da Billboard e seu single de estreia, uma cover de “You Really Got Me“, da banda The Kinks, ficou por três semanas na parada Top Hits, chegando ao número 36.

O Van Halen caiu no agrado dos jovens e ajudou a fortalecer o crescimento do número de bandas de hard rock, principalmente em Los Angeles. Muitas delas se tornariam famosas durante a década de 80, como Ratt e L.A. Guns entre outras. Por sua grande habilidade com a guitarra, Eddie Van Halen influenciou inúmeros guitarristas de grande destaque, entre eles Steve Vai, Joe Satriani e Zakk Wylde.

Vários dos sucessos do Van Halen estão nesse LP e alguns se tonaram obrigatórios nos setlists ao longo dos anos da carreira da banda. Difícil imaginar um show do grupo sem “Runnin’ with the Devil” ou “Ain’t Talkin’ ‘Bout Love“.

A cópia em vinil que eu possuo fez parte da coleção de discos dos meus irmãos mais velhos. Trata-se de uma prensagem do ano de 1978, nacional, que foi adquirido na loja Museu do Disco, que se localizava no Shopping Ibirapuera, em São Paulo-SP. Um pena o encarte interno ser em P&B e as fotografias com baixa qualidade de definição. Em compensação o peso do vinil – peso, literalmente falando mesmo – proporciona uma excelente qualidade de reprodução quando em contato com a agulha do toca discos.

A relevância deste LP extrapola o estilo musical. O Van Halen no final dos anos 70 era um fenômeno pop, principalmente graças ao talento de Eddie Van Halen, que escreveu seu nome entre as lendas da guitarra. Carismáticos e talentosos, afinal, estamos falando de uma banda que tem David Lee Roth na escalação, em pouco tempo superaram em popularidade, e principalmente em vendas, varias das bandas as quais fizeram shows de abertura no início da carreira.   

E falando em início, tudo começou com esse clássico, “Van Halen I”. Então por algum tempo, esqueça um pouco das preocupações que o isolamento te causa, coloque o volume no 11 e aproveite a aula de guitarra curtindo o som pesado dessa baita banda.

Dados:

Lançamento: 10 de fevereiro de 1978 .

Selo: Warner (EUA); Odeon/WEA (Brasil).

Produção: Ted Templeman.

Singles:

– “You Really Got Me” em março de 1978;

– “Runnin’ with the Devil” em maio de 1978.

Certificações:

– Nos Estados Unidos, disco de Diamante (+10.000 000);

– No Canadá, 4× disco de Platina (+400 000);

– Na Holanda, disco de Platina (+25 000);

– No Reino Unido, disco de Ouro (+100 000);

– Na Alemanha, disco de Ouro (+100 000);

– Na França, disco de Ouro (+100 000).

Músicos:

David Lee Roth – vocais

Eddie Van Halen – guitarra

Michael Anthony – baixo

Alex Van Halen – batera

Lado A:

1.“Runnin’ with the Devil”        

2.“Eruption” (Instrumental)   

3.“You Really Got Me”

4.“Ain’t Talkin’ ‘Bout Love”       

5.“I’m the One” 

Lado B:

1.“Jamie’s Cryin'”            

2.“Atomic Punk” 

3.“Feel Your Love Tonight”     

4.“Little Dreamer”         

5.“Ice Cream Man” (John Brim)         

6.“On Fire”