“SE O SLAYER TEM O REIGN IN BLOOD, O GENOCÍDIO TEM O THE CLAN”

NOTA:5/5.

Um novo álbum (o sexto de estúdio) é gravado entre os meses de Abril e Dezembro de 2009. Com a produção de Marco Nunes e co-produção de Gilberto Bressan Jr., a banda atinge a um padrão musical nunca antes alcançado. O resultado é The Clan, um salto nos quesitos originalidade e qualidade sonora que contém peças dotadas de velocidade, força e agressividade como por exemplo, as poderosas The Clan Fire Rain. Outras músicas com técnica mais refinada como Transatlantic Catharsis (a favorita deste que vos escreve) e Metal Barrel Wasted; e outras de cunho pessoal como Settimia e Worlds Asunder. Além disso, o álbum ainda traz uma versão fenomenal de Enter The Eternal Fire, do Bathory, que sempre foi uma grande influência para a banda. Se o Black Sabbath tem o Sabotage, o Slayer tem o Reign In Blood e o Metallica, o Master Of Puppets, os brasileiros do Genocídio tem o The Clan. Em minha opinião, o melhor disco da banda em todos os sentidos: composições diretas, fortes e agressivas, uma produção acima da média, paixão e técnica na execução. Um disco que, definitivamente, deveria tê-los colocado em palcos gringos, pois tem a mesma medida dos grandes álbuns das grandes bandas internacionais.

SPOTIFY:

Texto originalmente publicado no blog Esteriltipo

Continua

#genocidio_band #TheClan_album #deathmetal #HBR