Existem poucos guitarristas de rock neste planeta que tiveram uma influência tão duradoura em tantos músicos renomados quanto Michael Schenker. Com seu estilo excepcionalmente fluido, riqueza inesgotável de idéias e sensibilidade instintiva para ganchos e melodias, Michael Schenker é uma lenda viva que, apesar de sua longa e distinta história, ainda impressiona com sua energia e impulso incansáveis. O louro stringman de Sarstedt (Alemanha) começou sua carreira internacional no início da década de 1970 com os Scorpions, alcançou fama mundial ao ingressar no grupo de rock britânico U.F.O. e, em seguida, continuou sua excepcional história de sucesso global sob seu próprio nome, bem como com artistas como Michael Schenker Group (MSG para abreviar), Temple Of Rock e Michael Schenker Fest. Schenker e sua carreira, que já dura mais de cinquenta anos, são exceções absolutas na indústria da música de vida curta.

Agora, seu último álbum do MSG está prestes a ser lançado, com lançamento marcado pela Atomic Fire Records em 27 de maio de 2022 sob o apelido programático de “Universal“. Sua última oferta contará com todos os pontos fortes deste músico excepcional: músicas de primeira linha com melodias de hinos, riffs de guitarra cativantes e solos inspiradores. Como esperávamos dele, Schenker mais uma vez recrutou vários colegas músicos de prestígio para a gravação de sua nova produção de estúdio, entre eles, como vocalista principal, Ronnie Romero (Rainbow, Vandenberg), que também será o frontman do MSG em sua próxima turnê, Michael Kiske (Helloween) e Ralf Scheepers (Primal Fear), o tecladista Steve Mann (Lionheart), os bateristas Simon Phillips (Toto, The Who), Brian Tichy (Whitesnake, Foreigner), Bobby Rondinelli (Rainbow) e Bodo Schopf (Eloy), além dos lendários baixistas Bob Daisley (Black Sabbath), Barry Sparks (Malmsteen, Dokken) e Barend Courbois (Blind Guardian, Zakk Wylde), com Tony Carey como convidado muito especial. Mas mais sobre isso mais tarde.

Primeiro, vamos falar sobre os parâmetros básicos da nova gravação: Assim como seu antecessor “Immortal” (2021) e os álbuns “Resurrection” (2018) e “Revelation” (2019) do Michael Schenker Fest, “Universal” foi produzido por Michael Schenker e Michael Voss (Lessmann/Voss, Mad Max) no Voss’s Kidroom Studio, que se tornou uma espécie de lar criativo longe de casa para Schenker. “Michael Voss está feliz em esperar até que eu tenha uma ideia e aproveite o tempo para realmente conhecer a música, desenvolvendo simultaneamente ideias para os vocais”, Schenker descreve a colaboração frutífera que tem uma engrenagem entrelaçada com a outra. “Então trabalhamos a bateria, o baixo e algumas partes do teclado juntos. Ele sempre tem muitas grandes ideias na manga.” Destaques de composição abundam em “Universal”, desde a assombrosa abertura ‘Emergency’ e a subsequente ‘Under Attack’ com seu groove casual até ‘The Universe’, apresentando um dueto atmosférico de Ronnie Romero e Gary Barden, ‘Wrecking Ball’, executada brilhantemente como sempre por Ralf Scheepers, e ‘London Calling’ com sua homenagem ao espírito musical da capital britânica.

O hino do rock ‘A King Has Gone’ e sua introdução ‘Calling Baal‘ ambos têm um significado especial: a faixa, cantada pelo vocalista do Helloween, Michael Kiske, é uma homenagem ao imortal Ronnie James Dio, em particular à sua performance no álbum de 1976. clássico do hard rock Rainbow Rising. Por esta razão, Schenker reuniu uma seção rítmica original do Rainbow composta por Bobby Rondinelli e Bob Daisley, além de recrutar o tecladista Tony Carey, que também tocou no Rainbow Rising, para uma excelente introdução de sintetizador Moog – uma referência direta à icônica introdução do 1976 álbum de abertura ‘Tarot Woman’. O impressionante resultado ‘Calling Baal’/’A King Has Gone’ já é considerado uma das músicas mais importantes e bem sucedidas da carreira de Schenker até hoje, tanto musicalmente quanto liricamente.

Em sintonia com todos esses destaques, a espetacular capa do álbum desenhada por Zsofia Dankova (Powerwolf, entre outros) apresenta Schenker em uma espaçonave futurista, flutuando no alto da órbita. A arte é baseada nas visões do próprio guitarrista: “Eu tive a ideia original para a capa do álbum há alguns anos, mas só agora ela parece se encaixar perfeitamente. Então enviei alguns esboços mais antigos para minha gravadora Atomic Fire Records e, com base nisso, a arte final e o título do álbum foram criados.

Não há dúvida sobre isso: o título, a arte e as novas músicas combinam com MSG tão perfeitamente quanto sua característica Flying V combina com Michael Schenker!

Online:
www.michaelschenkerhimself.com
https://www.facebook.com/MichaelSchenkerRocks
https://www.instagram.com/michaelschenkerrocks/
https://twitter.com/MWSchenker
https://label.atomicfire-records.com/project/michael-schenker/

Michael Schenker Group, 2021. Photo by Tina K. Press and promo use. Until 6 November 2026