A IMPERIAL TRIUMPHANT é um trio de Avant-Garde Death Metal de Nova York, mas a tentativa de encaixotá-los neste sub-gênero pouco ou nada diz sobre sua música. É suficiente saber que estão muito à frente de seu tempo, que é o que se diz de obras avant-garde, seja na música, na pintura, no cinema, na arquitetura ou qualquer outra manifestação artística. Neste 31 de julho a banda lança seu quarto álbum, “Alphaville“. E mesmo com a gente avisando, dando spoiler, tentando estragar a festa, uma coisa é certa: você vai se surpreender com o som de Ezrin (vocais, guitarra), Kenny Grohowski (bateria) e Steve Blanco (baixo, vocais, teclados). Se a surpresa será boa ou ruim, depende muito de você, do quanto está aberto a absorver coisas que não se conectam tão propriamente, da sua própria reverência às estruturas do Death Metal. Eu, que escrevo aqui, curti bastante, exceto por uma música em particular. E fiz questão de comentar isso na longa conversa que tive com o membro fundador da banda, Zack Ezrin. Além do álbum conversamos sobre vários outros assuntos. Pandemia, música pop, Ghost, Jazz e eu até o ensinei a falar “João Gilberto”. Confira tudo na entrevista abaixo:

Headbangers Brasil: Então, sobre IMPERIAL TRIUMPHANT, você pode nos explicar o nome da banda?

Ezrin: Na verdade, não tem muito significado. Eu pensei nisso andando, voltando para casa um dia e atravessando a Park Avenue à noite. As duas palavras surgiram do nada na minha cabeça e elas parecem fazer mais sentido para mim. Então eu pensei, vamos com isso. E era muito jovem quando pensei nesse nome, e apesar de mudar meu som e minha formação durante anos, mantive o nome porque acho que gostei.

HBR: Ok, e agora sobre o álbum Alphaville, eu já escutei mas nossos leitores não. Então, o que os fãs do IMPERIAL TRIUMPHANT e novos fãs podem esperar desse álbum?

Ezrin: Eles devem esperar o inesperado. Eles devem estar prontos para muitas surpresas. Mas, ao mesmo tempo, espere o álbum da mais alta qualidade que possamos criar. Nós sentimos que este é o nosso melhor álbum que já fizemos. E isso nos representa nesse exato momento perfeitamente.

Trecho do Vídeo do Making Of do álbum
Trecho do Vídeo do Making Of do álbum

HBR: Existe algum conceito por trás dele, conectando as faixas?

Ezrin: Não é realmente um conceito. Quero dizer, a maioria das nossas músicas ainda é sobre a cidade de Nova York, mas a conexão está mais no fluxo. E eu incentivo os leitores a ouvir o álbum do começo ao fim, porque essa é provavelmente a melhor maneira de experimentar a música. Damos muita atenção à lista de faixas e à maneira como o álbum será ouvido e nas dicas dinâmicas que são dadas. Nós tentamos realmente torná-lo como uma jornada cinemática para você.

HBR: Ok, obrigado. E um de nossos colegas de um dos sites que escrevo, Paulo Márcio, está perguntando quais são os principais pontos que diferenciam “Alphaville” do anterior, “Vile Luxury”.

Ezrin: Bem, definitivamente não queríamos criar um Vile Luxury 2, queríamos ter um álbum que se sobressaísse por si próprio. E os principais pontos que eu diria estão apenas focando mais na estrutura e composição. Nós realmente queríamos criar o que poderíamos chamar de um álbum mais pegajoso, mais fácil de absorver, mas sem alterar nada nos aspectos brutal ou selvagem. Você sabe o que eu quero dizer?

HBR: O estilo que vocês tocam é difícil de colocar em uma caixinha com o nome de um estilo, mas muitas pessoas dizem que você é um metal de vanguarda. É um gênero difícil. Não é tão popular, mesmo entre outras gêneros que não são tão populares como o death metal black metal. O que te atrai neste gênero? E quais são suas principais influências musicais?

Ezrin: Bem, acho que nós realmente nunca tentamos, sei que isso soa mais clichê, mas realmente não tentamos pensar em um gênero que tocamos, esse tipo de coisa e que tipo de estilo nós tocamos.. Nós apenas tocamos o que queremos tocar e você definitivamente pode ouvir a música, há partes que estão se debatendo, há partes que são muito black metal, são partes mais brutais do death metal. Esse é o ponto principal de experimentar e ser vanguardista, não se restringindo a qualquer limitações. E as influências, influências musicalmente, são tão vastas que existem quase todos os gêneros que você pode imaginar, tirando a música pop, onde podemos pegar nomes de artistas onde nos inspiramos.

HBR: Sobre o estilo que você toca, você já descreveu em uma entrevista anterior que li recentemente como musica dissonante e altamente técnica com um desprezo quase completo por coisas como a estrutura convencional da música. E isso também é comum na música jazz. Sendo de Nova York, eu vivi nisso também é algo que você herdou também, certo?

Ezrin: Nova York tem uma enorme história do jazz. Todos nós tocamos muito jazz na cidade e é meio que isso penetrou em nossa música, sabe, em nosso death metal. Então é assim, é desse jeito mesmo.

HBR: e uma vez que você faz esse tipo de som, como mencionou a música pop, o que você acha deles? Da música popular que os jovens acham que é mais fácil ouvir, o que você acha dos artistas que se tornam estrelas e povoam os noticiários atualmente?

 

Ezrin: Todos somos apenas músicos, sabe, todos trabalhamos tentando ganhar a vida apenas tocando a música que amamos. Eu realmente não dou a mínima para música pop. Não é meu tipo de coisa, mas você sabe que existe claramente uma razão pra ser chamada de pop, é porque a população em geral gosta mas, sabe, para mim eu gosto de coisas diferentes. Eu amo qualquer coisa que me surpreenda, que me faça exclamar “oh, eu nunca pensei dessa maneira”. É por isso que sempre fui atraído ao extremo.

 

HBR: Existe algum artista pop que você escute de vez em quando?

 

Ezrin: Música pop moderna provavelmente não. Quero dizer, eu gosto da música pop dos anos 70. Curta, curto Abba, curto Queen e coisas assim. Mas é isso que eu não sei como você chamaria isso agora, uma vez que tudo foi tão sub-categorizado.

 

HBR: Acho que penso, penso quase o mesmo também na música brasileira. E vamos voltar para o Alphaville, falando sobre a capa do álbum. Eu acho que vi algo de Metropolis, o filme alemão. E também vi algo do Burj Al Arab, aquele prédio enorme em Dubai, o mais alto do mundo, se não estou enganado. Existe alguma conexão entre Alphaville Metropolis e tudo isso?

 

Ezrin: Sim, quero dizer, é tudo sim, há muita influência nos arranha-céus e naquele tipo de filme preto e branco antigo como Alphaville e Metropolis. Sim. Qualquer coisa inspirada em Nova York acabará inspirando o Imperial.

 

http://www.imperial-triumphant.com/couch/uploads/image/0013914189_10.jpg
HBR: Ok, e uma das primeiras coisas que vemos em sua música, os diferentes instrumentos, piano, saxofone e agora há sons da África Ocidental. Como você faz esse tipo de coisa durante os shows? Tem tudo gravado, ou você tem alguma sessão de metais ou alguns músicos? Músicos convidados para tocar com você e o que porque gosta de colocar tudo isso nas suas músicas?

 

Ezrin: Bem eu acho que depende. Sabe, se ficarmos maiores, podemos ter uma seção de metal para um show ou algo assim. Mas, no momento, geralmente usamos apenas samples ou fazemos nossas próprias coisas. E você sabe, muitos dos nossos shows ao vivo são muito diferentes do álbum. E muitos fãs vieram até nós depois e disseram: Uau, o seu show ao vivo é realmente mais intenso que o álbum. Então eu acho que criamos uma experiência única que você conhece, você pode experimentar o álbum ao vivo, ou seja, a banda ao vivo no disco, e você não pode experimentar o disco ao vivo. Então, isso meio que lhe dá incentivo para experimentar as duas coisas.
Foto: Facebook da Imperial Triumpanth
Foto: Facebook da Imperial Triumpanth
HBR: Você descreveu em algum lugar que seus shows são de alguma forma um ritual dourado, você nos daria mais detalhes sobre isso?

 

 

Ezrin: Bem, você sabe, isso soa meio legal. E, e é muito… queremos que seja um pouco mais interativo. Queremos que nosso show ao vivo não seja apenas uma performance da música. Mas, lentamente, ao desenvolvermos nossa produção teatral, queremos criar uma atmosfera em que também o público esteja envolvido nesse tipo de criação e recreação ritualística da música. Portanto, não posso revelar muito, mas estamos lentamente desenvolvendo um plano para tornar isso realmente mais ritualístico do que apenas chamá-lo de ritual dourado.

 

Foto: Irene Serrano
Foto: Irene Serrano
HBR: Sim, eu realmente gostaria de assistir a um de seus shows, mas, eu não vou a nenhum show por dois meses. O último foi em 15 de março. E todos os shows foram cancelados com esse risco nesses tempos de pandemia. Como você acha que os shows serão após esse período?

 

 

Ezrin: Vai ser lento. Mas eu acho que as pessoas vão acabar esquecendo o medo, a fobia dos germes, a fobia da morte e lentamente tudo começará a voltar ao normal, mas isso vai levar tempo. Espereo que cheguemos a isso o mais rápido possível, mesmo que isso signifique que tenhamos que tocar em shows menores para menos pessoas ou, sabe, clubes menores. Tanto faz, cara. É a alegria de se apresentar. Isso que nos move.

 

 

HBR: Ok, você tinha…infelizmente, tenho que dizer no passado… você tinha planos de tocar no Brasil? Existem alguns planos para o futuro, para 2021 ou 22 para um show ou até uma turnê no brasil?

 

 

 

Ezrin: Ainda não, mas está definitivamente na nossa meta. Realmente, você sabe, eu ouvi muito sobre tocar no Brasil e é, definitivamente, um lugar que eu adoraria ir e me apresentar. Então, esperamos que até 2021 possamos ter algo em andamento.

HBR: Tudo bem, e como estamos falando do Brasil, essa é uma pergunta que faço para todas osminhas entrevistados, sobre o Brasil e a música. Gostaria de saber se existe algum artista brasileiro que você saiba que ouve em casa ou mesmo que você é um de seus amigos ouve e conversa com você ou que teve alguma influência em sua carreira musical?

 

 

Ezrin: Ah, é claro, cara. [Nota: o que Ezrin falou parecia “Jaboberto”. Inicialmente eu não entendi.] JOÃO GILBERTO Gilberto é provavelmente a minha escolha quando se trata de Bossa Nova. Esse estilo de música definitivamente teve uma grande influência na minha maneira de tocar e, especialmente, ritmicamente, acho que é um dos mais interessantes para um guitarrista e também composicionalmente e harmonicamente. Sabe, os acordes, se você estudar Bossa Nova, os acordes são simplesmente insanos. E eu realmente amo mergulhar e aprender novas formas e interpretações de acordes e ver como posso aplicar isso definitivamente, você sabe?

 

 

HBR: Você poderia repetir o nome do artista?

 

 

Ezrin: “Jaou Guilberto”

 

 

HBR: Ah ok. João Gilberto.

 

 

Ezrin: Oh, desculpe. Eu nunca tinha falado com um brasileiro antes. Droga. [risos de ambos os lados] Como você diz?

 

 

HBR: Jo-awn Jill-berto

 

 

Ezrin: Jo-awn Jill-berto, ah, obrigado. Isso é surpreendente.

 

 

HBR: Mas é muito bom que você esteja falando do João Gilberto. Ele é um dos nossos maiores artistas no Brasil. Ele morreu recentemente, infelizmente.

 

 

Ezrin: Bem, o melhor de todos os tempos

 

 

HBR: Sim, ele tocou com Stan Getz e muitos outros

 

 

Ezrin: Sim. Stan Getz é da hora. Sepultura é da hora também.

 

 

HBR: Ah, sim. O Sepultura é um dos meus favoritos também. Tanto o velho quanto o novo. Então, e de volta às letras, tanto quanto pronunciar João Gilberto, para um brasileiro é difícil entender a letra sem ler, mesmo para as bandas de death metal mais convencional, é difícil entender o que você está falando apenas escutando e teremos que ler a letra. E, lendo algumas das suas letras eu percebi que é, tipo, pura poesia.

 

 

Ezrin: Obrigado.

 

 

HBR: Sim. Você considera suas letras tão intrigantes quanto o som? Para alguém que não teve essa oportunidade de ler ainda, o que você diria sobre o que as suas letras falam principalmente?

 

 

Ezrin: Sim, é meio engraçado, p’orque, você sabe, nós, como banda, não apeas eu, mas também meu baixista, Steve, somos os que escrevemos as letras. E nós colocamos muito, muito pensamento e muito esforço elaborá-los e é muito engraçado que nós nos esforcemos tanto, mas ninguém pode me entender de qualquer maneira. Então isso parece um esforço bobo. Mas a verdade é que as letras são apenas mais uma grande parte de realizar o trabalho criativo. É uma ótima maneira de expressar o que você quer, de transmitir, e tentamos o nosso melhor para que seja o mais poético possível e quase deixamos muitas letras abertas à interpretação. Portanto, não estamos sendo muito francos, nem literais. Tente deixar a criatividade do ouvinte e do leitor se abrir. E muitas das letras falam sobre o presente distópico e sobre a existência de Nova York.com o escritor em perspectiva.

 

 

HBR: Ok, eu ia perguntar isso sobre uma música que você tem. Chama-se Cosmópolis. E agora você tem um álbum chamado Alphaville. E agora entendo que está tudo conectado à cidade de Nova York. Estou certo?

 

 

Ezrin: 100%.

 

 

HBR: OK. E outra pergunta, você usa máscaras, como o Ghost, a banda, mas apenas nos shows e talvez algumas fotos promocionais. Você não esconde seu nome, digamos, sob identidades secretas, como os ghouls do Ghost. Existe alguma razão para usar a máscara?

 

 

Ezrin: Não, pessoalmente, não faz sentido tentar esconder sua identidade em 2020, você sabe, com a internet, todo mundo vai descobrir quem eu sou. Então, pra que ter dor de cabeça ou se incomodar com isso? Você sabe o que eu quero dizer? É apenas, eu realmente não estou tentando usar máscaras por privacidade ou mistério. É mais apenas uma fantasia de palco e apresentação visual da nossa música. E então só precisamos usá-los quando tocamos a música.

 

 

HBR: Como usar corpse paint, por exemplo, né?

 

 

Ezrin: Sim. E também como se você vir entrevistas com Slipknot ou Ghost, eles soam estúpidos quando estão falando com a máscara e usam sua voz normal. Isso soa meio idiota. E eu não estou quero parecer idiota. [risos] Você concorda, cara? Cara, tipo, quando você está com a máscara pra ser aterrorizante, mas aí você fala com uma voz normal. Hahaha. E não tem nem sotaque alemão, nem nada.

 

HBR: Às vezes Às vezes você pensa, cara, esse é o mesmo cara que eu estava vendo no show? Eu posso duvidar disso. Estou assistindo a entrevista do mesmo cara que estava tocando antes?

 

 

Ezrin: Exatamente.

 

 

HBR: Algo assim. A propósito, o que você acha do Ghost?

 

 

Ezrin: Sim, a música deles não é realmente o que eu gosto. Não sou louco pela música, mas realmente aprecio a criatividade deles, o marketing e o quão longe eles chegaram. Você sabe, como eles estão fazendo shows loucos ao vivo, tocar para um grande público, criando uma enorme marca, basicamente apenas fazendo a versão heavy metal do Vaticano. E para mim isso também é uma expressão criativa. Isso é criatividade. Isso é realmente único, eu acho. E como eu disse, somos todas músicos. Somos todos músicos, estamos todos trabalhando duro. Eu não estou tentando cagar em ninguém que tomou o caminho da música como sua carreira. Então, novamente, as músicas deles não são meu tipo favorito de merda, mas tanto faz.

 

 

HBR: Ok, e você incluiu versões de canções do VOIVOD e dos RESIDENTS no “Alphavile” e suas escolhas são claras de alguma forma, uma vez que uma banda é considerada algo como o thrash metal progressivo, o que é realmente difícil de entender como uma banda de thrash metal pode ser progressiva, mas eles são, eles conseguiram fazer isso. E a outra também é um ato de vanguarda. Mas gostaria que você explicasse novamente as razões de suas decisões com suas próprias palavras.

 

 

Ezrin: Bem, nós realmente gostamos de manter nossos fãs surpresos e acho que ninguém esperava que fizéssemos uma cover do Voivod ou uma cover do Residents, mesmo que nossos fãs possam ser também fãs dessas bandas. Parecem realmente boas escolhas para interpretar da nossa maneira. Definitivamente, não tentamos tocar as músicas nota por nota, mas sim pegar as melodias e reinterpretá-las da nossa maneira IMPERIAL. Acho que estamos todos muito felizes com a forma como elas acabaram ficando.

 

 

HBR: Mas “Happy Home” soa um pouco mais, como o nome diz, feliz, quando comparada com outras músicas do seu álbum e sua discografia. Existe alguma razão para terminar o “Alphavile” com ela?

 

 

Ezrin: Por que não? Parece tão feliz que soa assustador, esquisito e quase infantil. E isso é algo que nós realmente gostamos: você sabe, essa música parece super fodida. É realmente algo que tira os headbengers da zona de conforto. As pessoas vão pensar: Qual é? Por que eles estão com essa risadinha deles, por que tem tudo isso? Você sabe, é exatamente isso que acontece na década de 1980, como a cena art rock de Nova York, de apenas tentar conseguir o máximo de estranheza possível e ser o mais não convencional possível. Eu acho que realmente, essa música fez justiça porque o original é obviamente algo que eu adoro.

 

 

HBR: OK. E você escreveu nas suas redes sociais oferecendo aulas de guitarra, baixo, piano, bateria, composição, teoria musical e/ou conselhos sobre estética e indústria da música. [Nota: interessados, enviar email para imperial.triumphant@gmail.com] Eu gostaria que você comentasse sobre esse esforço para trazer seu conhecimento a outra pessoa, para outra pessoa no mundo.

 

 

Ezrin: Assim, não estou tentando dizer que somos gênios, mas sinto que tocamos em algo novo. Temos uma marca realmente forte. E acho que nossos conselhos, composição e abordagem para tocar música e criar nossa marca podem ajudar outras bandas e, você sabe, no momento, não podemos fazer turnês e somos todos músicos profissionais que não estão se apresentando. Então, precisamos ganhar algum dinheiro. E uma de nossas muitas ideias para ajudar a gerar algum fluxo de caixa dentro da banda, apenas para começar, você sabe, institucionalizar os aspectos de ensino da IMPERIAL TRIUMPHANT. Você sabe, eu, especialmente no setor de negócios da música, quero dizer, eu não sou especialista, mas eu definitivamente aprendi através de tentativa e erro e conhecendo pessoas, fazendo network, que eu eu adorava e que ainda solicito conselhos de pessoas que estão em nível mais alto que eu. Não há mal em pedir a eles algumas dicas.

 

 

Abaixo: rascunhos da arte da capa e o resultado final.

HBR: Foi um verdadeiro prazer conversar com você. E espero vê-lo em 2021 e gostaria que você enviasse uma mensagem aos nossos leitores e a todos que conheçam a IMPERIAL TRIUMPHANT.

 

 

Ezrin: Curtam nosso álbum. Definitivamente, tente adquirí-lo em vinil, se possível, porque essa é a maneira mais linda de apreciar o álbum. Obrigado pelo apoio.
Imperial Triumphant “Alphaville“ :
  • 01. Rotted Futures
  • 02. Excelsior
  • 03. City Swine
  • 04. Atomic Age
  • 05. Transmission to Mercury
  • 06. Alphaville
  • 07. The Greater Good
  • 08. Experiment (cover version)
  • 09. Happy Home (cover version)Imperial Triumphant Line-Up:
  • Zachary Ilya Ezrin – Vocals and Guitar
  • Kenny Grohowski – Drums
  • Steve Blanco – Bass

 

Imperial Triumphant online: https://www.facebook.com/imperialtriumphant/

https://www.instagram.com/imperialtriumphant/

https://twitter.com/imperialnyc

https://imperialtriumphant.bandcamp.com/

http://www.imperial-triumphant.com/