O REGISTRO HISTÓRICO DE UMA DAS PRIMEIRAS OBRAS DA MÚSICA EXTREMA FEITAS NO BRASIL”

NOTA: 3/5.

Quando Wperna escolheu esse como o nome de sua banda, tinha em mente o seu significado, que hoje se encontra dilatado diante dos atos de violência verbais e físicos divulgados todos os dias nos noticiários. A escolha foi consciente e provavelmente, uma forma chocar e/ou denunciar os massacres provocados pela intolerância. Foi assim que no longínquo ano de 1986, sob um céu particularmente enegrecido, nasceu a banda Genocídio, uma das primeiras “death doom metal band” do país.

Inovação, liberdade e pioneirismo são algumas das palavras que melhor descrevem a carreira dessa respeitada banda formada no final dos anos 80. Segundo as fontes, a formação original contava com W. Perna (Guitars) e Marcão (Bass), com “Zé Galinha” (Bateria) completando a line up. Depois de alguns shows dentro e fora de São Paulo, a banda se junta à gravadora Ultra Violence para gravar o registro de estreia, o EP Genocídio em 1988.

O registro conta com 4 (quatro) faixas de um death metal brutal na linha de Napalm Death e Benediction antigos. A proposta musical da banda, que já era a de fazer um som extremo foi de certa forma, “incrementada” por uma produção insipiente que acabou ajudando a banda a replicar o som praticado pelas bandas gringas do gênero. Assim, o resultado foi uma tosqueira (no bom sentido) que como sabemos, tornou-se amada pela maioria absoluta dos fãs do estilo.

Hoje, 32 anos depois, o referido EP, mesmo com baixo orçamento e uma gravação primária, o disco é um registro histórico de uma das primeiras obras da música extrema feitas no brasil e por isso ganhou uma nova versão em 2018. O relançamento é uma iniciativa da Mutilation Records que o fez em formato digipack com bonus-tracks retirados de demos-tapes e de shows ao vivo. Esta edição está limitada à 500 cópias.

Continua…

> Texto originalmente publicado no blog Esteriltipo.

#Genocídio_banda #Genocídio_EP #deathmetal, #HBR #esteriltipo_blog